O Pecado e a Psicologia – John MacArthur Jr.

8 abr

O Pecado e a Psicologia
John MacArthur Jr.

O pecado de Adão afundou nele toda a raça humana, assim todos
nascemos culpados. A vergonha não é uma emoção indigna, mas uma reflexão
honesta do que somos. Os seres humanos sentem vergonha desde o primeiro
pecado (cf. Gn 2.25; 3.10)
. Às vezes, nossa vergonha é deslocada, é irracional
ou até emocionalmente desequilibrada — mas a vergonha, em si mesma,
certamente não é indigna. Ninguém é “bom demais” para sentir que é um
pecador miserável. Isso é, afinal de contas, exatamente o que somos.
Essa doutrina está em sério declínio estes dias, causando prejuízo à
igreja. Mudamos a letra dos grandes hinos, portanto eles não mais se referem a
nós como “miseráveis” ou “vermes”. Compramos a mentira da auto-estima.
Queremos minimizar nosso pecado, eliminar nossa vergonha, encorajar nosso
ego e nos sentir bem. Queremos, em outras palavras, todas aquelas coisas que
enfraquecem a consciência. Detestamos a vergonha, mesmo que justificada.
Odiamos o arrependimento porque é difícil demais. Evitamos a culpa.
Queremos a vida boa.
A pressa em adotar a psicologia contribuiu em muito para essa
tendência. A psicologia em si é hostil à doutrina bíblica do pecado, e o
movimento de casar a Bíblia com a psicoterapia certamente não mudou isso.
Um manual de psicologia amplamente conhecido, usado pelos conselheiros
pastorais, inclui o seguinte texto sob o título de “pecado original”. Embora
seja muito longo, incluirei toda a parte do “Pecado Original”, porque ela
mostra como a psicologia pode corromper a doutrina bíblica do pecado:
Nenhum psicólogo de boa reputação defenderia a teoria clássica da
teologia e da antropologia de que o pecado é passado de geração em
geração. O termo “pecado” agora está reservado para atos deliberados e
conscientes de uma pessoa contra as normas aceitas, ou contra as tradições
da sociedade e dos ideais associados com um Deus moral. O pecado é,
portanto, um delito responsável. O pecado original tem, entretanto, um
elemento de validade psicológica, a saber, o fato de as fraquezas dos
componentes da personalidade terem uma história além do território da
responsabilidade consciente.
Nossos impulsos hereditários, por exemplo, são nosso preparo
mental. E como tal, são amorais. Atuam de acordo com os propósitos
biológicos. Quando em conflito com padrões de conduta produzem
problemas e se tornam predisposições fáceis para o pecado (deliberado).
Acrescente a isso as desordens provocadas pelo ambiente primitivo — além
da vontade do indivíduo — e há a figura de uma deficiência no tipo de
ajustamento social chamado de “moral”.
Se for verdade que todos geneticamente viemos de uma floresta
primitiva, com um antigo preparo mental para ser usado na difícil luta pela
sobrevivência, num mundo não muito fácil (mudanças de temperatura,
animais selvagens, inundações, doenças, germes, etc.), e, que no curso do
desenvolvimento social, atingimos um tipo de conjunto de relacionamentos
sociais interpessoais que exige uma conduta mais gentil com os outros,
então é fácil visualizar a dificuldade de ajustar os impulsos naturais úteis
num tipo de mundo autoritário, em um outro que exige controle.
Biologicamente, os impulsos naturais têm uma maneira de subsistir, apesar
de o ambiente os conduzir ao seu enfraquecimento. “O pecado original” é
um termo infeliz para os fracassos naturais do homem, em viver como
deveria numa ordem social onde virtudes de altruísmo deveriam
supostamente eliminar o egoísmo. Porém, há uma verdade no “pecado
original”, a saber, aquela velha história do homem não foi apagada, apesar
dos ideais enfatizados na sociedade em desenvolvimento. Enquanto houver
essa disparidade (pela qual a pessoa individualmente não é responsável), há
mais do que um mito na doutrina de que não somos facilmente
transformados em santos.1
Perceba como essa passagem absolve as pessoas da responsabilidade
por todos os impulsos herdados, por todos os desejos malignos, por toda a
tendência pecaminosa, por “todos os fracassos naturais do homem” — e até
nos desculpa pelo próprio pecado original. As únicas coisas consideradas
pecado são “os atos conscientes e deliberados de uma pessoa contra as
normas aceitas ou tradições da sua sociedade, e os ideais associados com um
Deus moral”. Quão longe isso está da definição bíblica! Mas alguém percebe?
Alguém ainda sabe?
Fonte: Sociedade sem Pecado, John MacArthur,
Cultura Cristã, p. 189-191.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: